terça-feira, 4 de novembro de 2014

Trinta e dois anos depois, historiador relembra o maior assalto do RN






Cidade de Caraúbas, palco do maior assalto do RN



Pouco mais de 32 anos completados do maior assalto da história do Rio Grande do Norte, o "Roubo da Emergência", como ficou conhecido a ação ousada protagonizada por membros da família Carneiro, de Caraúbas, que tomou de assalto 94 milhões de cruzeiros, que seriam destinados ao pagamento dos trabalhadores da Frente de Emergência contra a Seca, na região do Médio e Alto Oeste. O assalto ocorreu na RN-117, na altura da comunidade da Timbaúba, entre as cidades de Caraúbas e Olho d'Água do Borges, na região do Médio Oeste potiguar. O dinheiro era levado num veículo tipo Brasília, por funcionários da Coletoria Estadual e estava em dois malotes. No momentodo assalto, parte da quadrilha estava num Opala ocupado pelo assaltante carioca Sidney Negão, contratado exclusivamente para liderar o assalto, e por mais três irmãos da família Carneiro. O contexto histórico do assalto vai de encontro com um momento de transição política, compreendido entre o final da ditadura militar e o ressurgimento da democracia, conforme explica o historiador e pesquisador Tasso Sales Menezes, que durante décadas estudou profundamente o assalto e suas consequências políticas e sociais. "O assalto aconteceu em maio de 1982, na efervescência da pré-campanha eleitoral para prefeito, vereador, deputado estadual e federal, senador e, pela primeira vez desde o AI-5 (Ato Institucional nº 05), para governador, encerrando um ciclo de biônicos indicados pelo regime militar para governar os estados", destacou o historiador. Para o historiador, as consequências do assalto dos 94 milhões foram muito grandes para o RN e, principalmente, para o município de Caraúbas, até então no anonimato e, devido à ação, a cidade passou a ser conhecida nacionalmente, uma vez que virou notícia nacional e internacionalmente. "A cidade de Caraúbas, com o assalto ocorrido em seu município e protagonizado por filhos da terra das caraubeiras, passou a ser vista em todo o território nacional, por mídias faladas, escritas e televisivas, como uma das mais perigosas do Nordeste. Esse ícone negativo foi muito ruim para o município, que precisou de décadas para retirar essa fama", contou. Ainda de acordo com o historiador, o assalto virou tema de diversos trabalhos acadêmicos, alguns deles viraram livros, que são lidos e procurados por milhares de pessoas em todo o Brasil. "Sem sombra de dúvidas, foi um dos acontecimentos que mais marcaram a história do município de Caraúbas e do Rio Grande do Norte, que é passado de geração a geração", concluiu. "A ideia era roubar 600 milhões, porém uma colisão alterou os planos da quadrilha", diz historiador As pesquisas realizadas pelo historiador Sales Menezes são baseadas em registros da Polícia Civil, mediante depoimentos dos mais de 50 presos que tiveram seus nomes arrolados nas investigações e em testemunhos de pessoas que assistiram de perto a todo o desenrolar das investigações. Para o historiador, que dentre as inúmeras pesquisas teve como base também o livro escrito por José Viana Ramalho, "Dudé", condenado a 20 meses de prisão pela participação no roubo, a ideia da quadrilha era realizar uma ação mais gigantesca ainda. "A ideia era tomar de assalto 600 milhões de cruzeiros, direto do avião, quando ele pousasse no Aeroporto Dix-sept Rosado, em Mossoró. Entretanto, um acidente de trânsito envolvendo a quadrilha impediu o roubo", explicou. Em recente entrevista a um veículo de comunicação da capital, o cantor evangélico José Vantuiu Carneiro, "Vanzinho Carneiro", que participou do pelotão de choque da quadrilha e que foi condenado a mais de 140 anos de prisão, revelou que o dinheiro foi roubado para financiar a campanha de Raimundo Amorim Fernandes, o “Zimar Fernandes”, candidato a prefeito de Caraúbas, e não para capitalizar o bando ou para compra de armas, como são comuns nesse tipo de crime. "Além do fator histórico, o assalto ao carro pagador da emergência gerou muitas histórias que são contadas em Caraúbas e região, entretanto, muito tempo depois, essas histórias soam como uma mancha negativa para alguns e um fato heroico para outros, movimentando assim a criatividade de quem as conta e aguçando a imaginação de quem as escuta", concluiu Tasso Sales Menezes.
Detalhe do assalto - Local do assalto: RN-117 na comunidade de Timbaúba, em Caraúbas; - Data: maio de 1982 - Valor do roubo: 94 milhões de cruzeiros (o maior já ocorrido no RN); - Protagonistas do assalto: Sidney Negão, Vanzinho e Maurício Carneiro - Mais de 50 pessoas presas.


O mossoroensevia sertaonamidia.com.br
Curta nossa página no Facebook e fique atualizado em tempo real. https://www.facebook.com/sertaonamidia

0 comentários:

Postar um comentário

IV – “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;

VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”;

 
CARCARÁ PARELHAS | by TNB ©2010