quarta-feira, 12 de novembro de 2014

RN É O SEGUNDO ESTADO DO PAÍS QUE MAIS DIMINUIU OS INVESTIMENTOS EM SEGURANÇA





Mais uma pesquisa vem reforçar o momento de insegurança que o Rio Grande do Norte vem passando nos últimos anos. Nesta terça-feira (11), o Fórum Brasileiro de Segurança Pública divulgou o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, que trouxe dados referentes ao ano de 2013 em todo o Brasil. Nele, o Rio Grande do Norte apareceu como o segundo Estado que mais diminuiu o investimento no setor da segurança, conforme antecipou O Globo desta segunda (10).

Segundo o estudo, seis estados colocaram menos dinheiro no setor em 2013, em comparação com o ano anterior. São eles Ceará, Bahia, Sergipe, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Norte e Piauí. Nessa lista o RN aparece na segunda colocação. Em 2012, o orçamento no RN foi de R$ 831,4 milhões e em 2013 o valor baixou para R$ 707,7 milhões, implicando em uma redução de 14,87%. “Desde 2011 que nós estamos falando que os investimentos na área da segurança no RN estão longe do ideal. Os números da violência estão aumentando cada vez mais e nada vem sendo feito. Essa pesquisa só reforça aquilo que nós falamos constantemente”, afirmou Marcos Dionísio, presidente do Conselho Estadual de Direitos Humanos do RN.

Para ele, o maior problema é que, enquanto o Estado investe cada vez menos na segurança, o crime organizado está cada vez mais “poderoso”. “Os nossos órgãos de segurança estão em situação complicada. As vagas dos policiais que se aposentam ou são mortos, raramente são repostas. O efetivo não aumenta. Não existem políticas públicas de prevenção e nem de inclusão social. O próximo governador tem que ter a segurança como prioridade, caso contrário a situação não irá melhorar”.

Em termos de diminuição de investimento, o Rio Grande do Norte só fica atrás do Piauí. O estado destinou R$ 94,5 milhões para a área no ano passado, tornando-se a menor unidade da federação em investimento per capita: apenas R$ 29,67. Apesar de a segurança pública ser uma atribuição dos estados, de acordo com a Constituição, o anuário mostra que os municípios brasileiros investiram R$ 3,59 bilhões na área, valor inferior apenas a São Paulo, Rio e Minas. O gasto é 3,28% maior do que o do ano anterior.

O anuário também traz as estatísticas do número de pessoas mortas pela polícia brasileira de 2009 a 2013. Foram 11.197 óbitos registrados, o equivalente a seis mortes por dia, quantidade pouco superior ao dos Estados Unidos, só que em 30 anos (11.090). Além disso, o estudo mostra que cerca de 500 PMs foram mortos em 2013, sendo 75% fora do horário de serviço.

Custo da segurança

De acordo com dados divulgados pelo jornal O Globo, o custo da violência no Brasil do ano passado foi de R$ 258 bilhões, o que equivale a 5,4% do PIB (Produto Interno Bruto). Esses números mostram que o investimento na área aumentou 8,5% em relação ao ano de 2012. A maior parte deste valor, R$ 114 bilhões, é resultado justamente da perda de capital humano.

Além dos R$ 114 bilhões gerados pela perda de capital humano, entram na conta dos custos da violência R$ 39 milhões de gastos com contratação de serviços de segurança privada, R$ 36 bilhões com seguros contra roubos e furtos e R$ 3 bilhões com o sistema público de saúde. A soma destas despesas, que chegou a R$ 192 bilhões em 2013, ou 3,97% do PIB, é classificada no estudo como “custo social da violência”. O valor pode ser ainda maior, porque os gastos com pessoas que ficam inválidas em razão da violência, por exemplo, não entraram no cálculo.

JORNAL DE HOJE
via sertaonamidia.com.br
Curta nossa página no Facebook e fique atualizado em tempo real. https://www.facebook.com/sertaonamidia

0 comentários:

Postar um comentário

IV – “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;

VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”;

 
CARCARÁ PARELHAS | by TNB ©2010