sábado, 15 de novembro de 2014

Presidente do Supremo diz que juiz é um homem comum, em sintonia com agente condenada por afirmar que 'juiz não é Deus' Agência Brasil

| De André Richter


O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, disse nesta segunda-feira (10) que juízes são homens comuns.

A afirmação ocorreu em encontro de magistrados em Florianópolis (SC), durante comentário sobre o caso da agente Luciana Silva Tamburini, condenada a indenizar o juiz João Carlos de Souza Corrêa, flagrado em blitz da Lei Seca, no Rio de Janeiro.

O presidente do STF evitou comentar o caso concreto, pois a questão poderá ser julgada pelo Supremo.

Entretanto, afirmou que “juiz é um homem comum, um cidadão como outro qualquer, que tem a importante missão de fazer cumprir as leis e a Constituição em particular”.

O magistrado dirigia um veículo sem placas e não portava Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

O caso em discussão é a decisão do desembargador José Carlos Paes, da 14ª Câmara Cível do Rio de Janeiro. Ele condenou a agente de trânsito, por entender que ela, em 2011, desacatou o juiz flagrado na blitz. Ao ser abordado pela agente, Corrêa deu voz de prisão, após ela dizer que juiz não é Deus.

Segundo a decisão judicial, Luciana Tamburini "agiu com abuso de poder" e "zombou" do magistrado.



LEIA TAMBÉM: - CNJ analisa conduta de juiz que deu voz de prisão a agente em blitz no Rio



Lewandowski também comentou pesquisa sobre a falta de confiança no Poder Judiciário da Fundação Getúlio Vargas, que apontou que 81% dos brasileiros acreditam ser "fácil" desobedecer às leis. Segundo o presidente do STF, o cumprimento das leis não é só tarefa do Judiciário, mas "depende do Executivo, do Legislativo e, também, de cada cidadão."




via sertaonamidia.com.br

Curta nossa página no Facebook e fique atualizado em tempo real. https://www.facebook.com/sertaonamidia

0 comentários:

Postar um comentário

IV – “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;

VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”;

 
CARCARÁ PARELHAS | by TNB ©2010