sábado, 8 de novembro de 2014

Polícia militar da voz de prisão a médico do Samu após negativa de socorro e vítima ir a óbito


O caso de negativa de ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) que foi solicitada pela Polícia Militar na noite desta sexta-feira, dia 07, por volta das 01h00, levou a própria polícia a dar voz de prisão ao médico plantonista do serviço após morte da vítima para a qual estava sendo solicitado o socorro.

O caso aconteceu no Bairro Matadouro, em Patos, quando a senhora Maria do Socorro Paulo de Figueiredo, idade não revelada, passou mal por causa ainda não revelada. Os familiares ligaram para o 192 (SAMU), mas o médico se recusou a enviar uma equipe do serviço. Os familiares em desespero ligaram para a Polícia Militar em busca de ajuda. A própria polícia solicitou ajuda do SAMU, mas também teve o socorro negado.

A Polícia Militar se deslocou até o Bairro Matadouro e mais uma vez solicitou ajuda do SAMU e novamente teve a negativa. Então a guarnição da PM solicitou ajuda do 4º Batalhão do Bombeiro Militar (4º BBM), porém já era tarde. Alguns minutos depois a mulher veio a óbito.

Diante do caso, a Polícia Militar através do Coordenador de Polícia da Unidade (CPU), Tenente Cascudo, se deslocou até o SAMU e deu voz de prisão ao médico plantonista-regulador. O médico foi encaminhado a Delegacia de Polícia Civil (DPC) pela guarnição e o fato vai ser apurado.

Em contato com o coordenador do SAMU, Anderson Sóstenes, a reportagem foi informada que o médico será afastado do serviço até a apuração do caso. Anderson relatou que será aberta uma investigação sobre o caso e o Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM/PB) será acionado para acompanhar o caso.



Jozivan Antero – Patosonline.com

0 comentários:

Postar um comentário

IV – “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;

VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”;

 
CARCARÁ PARELHAS | by TNB ©2010