sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Bandidos fazem arrastão em ônibus em que estava um juiz do TRE Breno Wanderley







Um ônibus de uma empresa que faz a linha intermunicipal entre as cidades de Campina Grande e João Pessoa, foi assaltado durante a tarde desta quarta-feira (19). A ação aconteceu na rodovia federal BR-230, próximo ao distrito de Galante, na zona rural de Campina Grande.
Segundo as informações das vítimas, o ônibus tinha saindo da cidade do terminal rodoviário Argemiro de Figueiredo e ao passar próximo ao distrito um homem que estava no acostamento pediu parada. Após alguns minutos o homem rendeu o motorista e ordenou que ele parasse em um trecho, onde entraram mais três acusados.

Conforme o relato dos passageiros, os quatro homens roubaram celulares e carteiras de todos os passageiros. No momento havia cerca de 45 pessoas no ônibus. Após a ação os quatro bandidos desceram do ônibus próximo a cidade de Riachão do Bacamarte e fugiram correndo. A Polícia Militar foi acionada, mas nenhum dos homens foi localizado.

Uma mulher que está grávida sentiu-se mal e precisou de atendimento médico ao chegar, no distrito Cajá, no município de Caldas Brandão. Uma das vítimas foi o juiz do Tribunal Regional Eleitoral, Breno Wanderley. Na manhã desta quinta-feira (20) ele procurou a Polícia Civil para prestar queixa.

“Foi uma ação bem articulada. Primeiro entrou um bandido, mas havia outros esperando mais adiante. Eles estavam armados com revólveres de cano longo e, durante a ação, afirmavam que iriam matar quem reagisse”, relatou o juiz, que teve os celulares e carteira roubada.

Fonte - Jornal da Paraíba

via sertaonamidia.com.br
Curta nossa página no Facebook e fique atualizado em tempo real. https://www.facebook.com/sertaonamidia

0 comentários:

Postar um comentário

IV – “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;

VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”;

 
CARCARÁ PARELHAS | by TNB ©2010