quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Palácio do Governo é atacado a tiros no sexto dia de violência em Santa Catarina



Dois homens em uma moto atiraram contra o Palácio do Governo de Santa Catarina, por volta de 2h desta quinta (2), sexto dia de ataques da facção criminosa PGC (Primeiro Grupo Catarinense) contra autoridades e ônibus no Estado. Três tiros acertaram a guarita da sede do governo, localizada no Centro Administrativo da rodovia SC-401. Não houve feridos, e os criminosos não foram identificados.
Os ataque acontece às vésperas da eleição estadual, que tem o atual governador, Raimundo Colombo (PSD), 59, candidato à reeleição, como líder nas pesquisas. Ele deve vencer no primeiro turno.
Segundo dados da Polícia Militar, atualizados às 9h desta quinta, já são 52 ataques, em 20 cidades, e 17 ônibus incendiados desde a sexta (26). A violência cresce também no interior, e os ataques atingiram Blumenau, terceira maior cidade catarinense, que teve na noite de ontem seu primeiro ônibus incendiado.
O transporte coletivo noturno na Grande Florianópolis foi suspenso pelo quarto dia seguido, por medida de segurança, provocando caos pelas ruas das cidades. Em Criciúma, Tubarão e Joinville, os ônibus só circulam com escolta policial.
Desde o início da terceira onda de violência, a polícia prendeu 22 suspeitos e oito adolescentes. Dois homens foram mortos em confronto com a PM e um agente prisional aposentado foi assassinado por criminosos não identificados.
A maioria das autoridades não menciona diretamente o PGC pela autoria da onda de violência, mas a sigla é de uso corrente no dia a dia dos catarinenses. Depois de alguns dias de relutância, a Secretaria Estadual de Segurança confirmou que os novos ataques também estão sendo coordenados de dentro das cadeias pela facção.
Fonte: BOLvia sertaonamidia.com.br
Curta nossa página no Facebook e fique atualizado em tempo real. https://www.facebook.com/sertaonamidia

0 comentários:

Postar um comentário

IV – “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;

VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”;

 
CARCARÁ PARELHAS | by TNB ©2010