quinta-feira, 9 de outubro de 2014

MULHER INVENTA QUE FOI ASSALTADA PARA LIVRAR AMANTE DE ACUSAÇÃO DE TENTATIVA DE HOMICIDIO



Local do crimeNa noite desta terça-feira (7) deu entrada no Hospital de Tabira a jovem Rosineide Carvalho de Souza de 19 anos, moradora do Povoado Borborema, a mesma havia sofrido um disparo de arma de fogo na altura do estômago. Aos policias ela relatou que estava com seu namorado na PE-304, entre Tabira e Solidão, quando dois homens numa moto havia lhes assaltado e na fuga efetuado os disparos.
No dia seguinte mediante investigação dos escrivães das delegacias de Tabira e Solidão, a verdade do fato veio à tona. A farsa começou a ser descoberta quando os policiais observaram em fotos do ferimento na vítima uma área com queimadura o que levantou a hipótese de um tiro a queima roupa, contrariando, dessa forma, o depoimento do casal que falou que os tiros foram à distância.
A Polícia Civil em Tabira informou à Redação do Blog Radar do Sertão que em conversa com os policiais, o acusado Cícero Jesuíno Tavares acabou confessando o crime e disse que estava sendo pressionado por Rosineide para deixar a mulher e como ele se negou começou a discussão entre os dois e terminou nos disparos do acusado contra a vítima.

Mesmo depois de ter sido vítima de tentativa de homicídio, os dois resolveram contar a versão do assalto à polícia para não prejudicar o autor. Cícero Jesuíno já foi condenado em outro processo por tentativa de homicídio e na casa dele foram encontradas pelo GATI diversas munições calibre 32. A arma do crime foi localizada pelos policiais no matagal.
O acusado Cícero Jesuíno Tavares vai responder pelos crimes de tentativa de homicídio, posse de arma e munição, além de falsa denúncia de crime. A vítima, Rosineide Carvalho de Souza, responderá por falsa denúncia de crime. Informações do Radar do Sertão. (Jornal Tabira)via sertaonamidia.com.br
Curta nossa página no Facebook e fique atualizado em tempo real. https://www.facebook.com/sertaonamidia

0 comentários:

Postar um comentário

IV – “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;

VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”;

 
CARCARÁ PARELHAS | by TNB ©2010