sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Frentistas são presos pela PRF por venda ilegal de rebites




Dois frentistas foram presos com 180 comprimidos de anfetaminas por Policiais rodoviários federais, na madrugada de hoje (17), em um posto de combustível localizado na BR 230, no município de Condado, Sertão da Paraíba.



Os agentes da Policiais Rodoviária Federal (PRF) chegaram até os suspeitos após receberem uma denúncia anônima através do 191, número de emergência da PRF. Os frentistas são funcionários do Posto Agagenor 1, situado no quilômetro 379 da BR 230. Os comprimidos do medicamento de nome fantasia Nobésio estavam com os dois homens, que confessaram que vendiam 15 unidades por R$ 30; sendo que 20 reais eram repassados para o fornecedor. Eles declararam também que a droga é fornecida por um caminhoneiro do Ceará, que será investigado.



O medicamento encontrado, da classe das anfetaminas, e de uso controlado, tem como fim os tratamentos para emagrecimento, obrigatoriamente, com acompanhamento médico. Entretanto, muitos caminhoneiros utilizam essa droga, conhecida popularmente como "rebite", para se manterem acordados por longas horas, já que ela age no sistema nervoso central, atuando como estimulante. Os riscos do seu uso por motoristas são extremamente perigosos, pois causam efeitos devastadores. Eis alguns: Alucinações, agressividade, sensação de estar sendo perseguido, ofuscamento, taquicardia e aumento da pressão sanguínea. Uma outra característica danosa, e que é muito percebida nos casos de acidentes envolvendo caminhoneiros, é o fato de que, quando o efeito da droga passa, o sono surge de maneira repentina e muito forte; o que causa os cochilos dos condutores.




O comércio ilegal destes medicamentos torna-se tráfico de drogas, e para aqueles flagrados em tal pratica poderá ser condenado a penas que variam de 5 a 15 anos de prisão.







Assessoria de Comunicação Social/PRFvia sertaonamidia.com.br
Curta nossa página no Facebook e fique atualizado em tempo real. https://www.facebook.com/sertaonamidia

0 comentários:

Postar um comentário

IV – “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;

VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”;

 
CARCARÁ PARELHAS | by TNB ©2010