segunda-feira, 27 de outubro de 2014

'Faremos uma oposição vigilante', diz Henrique Alves após derrota no RN



Ao G1 - Após tomar conhecimento que havia, matematicamente, perdido a eleição para o governo do Rio Grande do Norte, resultado que decretou Robinson Faria (PSD) como eleito, o candidato Henrique Eduardo Alves (PMDB) fez um pronunciamento à imprensa na casa onde mora, no bairro de Petrópolis, na Zona Leste de Natal. Henrique agradeceu aos eleitores que o acompanharam na campanha e afirmou que vai fazer uma oposição "vigilante e positiva".

"Gostaria de agradecer o apoio dos mais de 730 mil eleitores que me escolheram. Saio de cabeça erguida dessa campanha bonita. Me dediquei de corpo e alma para uma luta na qual fui convocado. Saio tranquilo e desejo boa sorte ao governador eleito do Rio Grande do Norte. Estamos preparados para fazer uma oposição vigilante e positiva. Deixo essa campanha sabendo que dei o melhor de mim. Estou nessa vida desde os meus 21 anos de idade, e espero continuar por mais tempo", declarou.

Quanto a participação na campanha para o cargo de governador do Rio Grande do Norte, Henrique Alves disse: "Não me arrependo de nada que fiz. Acho que estava na hora de oferecer algo ao meu estado, mas infelizmente não aconteceu".

Apuração dos votos
Robinson Faria, do PSD, foi eleito neste domingo (26) governador do Rio Grande do Norte. Apuradas 100% das urnas no estado, Robinson conquistou 54,42% dos votos válidos - um total de 877.268 votos. O deputado federal Henrique Eduardo Alves (PMDB) ficou em segundo lugar com 45,58% dos votos válidos - um total de 734.801 votos.via sertaonamidia.com.br
Curta nossa página no Facebook e fique atualizado em tempo real. https://www.facebook.com/sertaonamidia

0 comentários:

Postar um comentário

IV – “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;

VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”;

 
CARCARÁ PARELHAS | by TNB ©2010