domingo, 21 de setembro de 2014

PRESOS CRIA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA "SINDICATO DO RN" E DIZEM QUE ESTADO ESTA DOMINADO

Organização criou até mesmo uma música na qual apresenta seus integrantes e faz apologia ao crime.

Por Redação portal bo

Foto: Cedida

Uma das marcas usadas pelo Sindicato do RN.

Um grupo de presos do Rio Grande do Norte criou uma nova facção criminosa como forma de organizar suas ações, com determinações partindo de dentro e fora dos presídios. Há algumas semanas, vem circulando nas redes sociais um vídeo em que se apresenta os integrantes de tal facção, intitulada Sindicato do RN, no entanto, o grupo se articula desde 2012, conforme registros encontrados em materiais apreendidos nas cadeias.

O Portal BO apurou que o Sindicato do RN é composto, em sua maioria, por homens já presos. Alguns deles, inclusive, eram integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC), a maior organização criminosa do Brasil, fundada em São Paulo. O motivo da separação seria o melhor aproveitamento dos lucros do crime, tendo em vista que, antes, a maior parte do apurado era enviada para fora do Rio Grande do Norte.

A reportagem conversou com a coordenadora da Administração Penitenciária do Rio Grande do Norte, Dinorá Simas. Ela afirmou que a facção Sindicato do RN realmente é uma realidade dentro das unidades e todo o Sistema Penitenciário tem trabalho para tentar identificar os líderes, como forma de mapear e isolar possíveis ações que possam comprometer a segurança dentro dos presídios e até mesmo da população potiguar.

Ela ressaltou que sempre que os agentes penitenciários apreendem material referente ao grupo e, até mesmo percebe reuniões entre eles, procuram separar os presos. Ainda não se sabe o certo quantos fazem parte do Sindicato do RN, mas o que se sabe é que a facção está espalhada por quase todas as unidades prisionais do Estado, tendo sua força maior em Alcaçuz.

CLIQUE PARA OUVIR A MÚSICA DO SINDICATO DO RN:

 

O grupo chegou a produzir uma música na qual apresenta os participantes e mostra os locais de atuação de cada um e faz apologia ao crime, chegando a dizer que o “Estado está dominado”. O material tem circulado nas redes sociais e chegou às mãos da polícia. Na semana passada, policiais da Delegacia Especializada em Furtos e Roubo prenderam um jovem conhecido como Gabriel Lacoste, que seria integrante do Sindicato do RN, conforme citado em música da facção.

O delegado Herlânio Cruz, da Defur, disse que chegou a questionar o preso sobre a participação dele nessse grupo, mas Gabriel Lacoste negou e afirmou que não sabe como o nome dele foi parar na música criada pelo Sindicato do RN.

A reportagem do Portal BO entrou em contato com a Delegacia Geral da Polícia Civil. A assessoria do órgão informou que, assim como várias pessoas, a polícia realmente teve acesso ao vídeo e à música do Sindicato do RN e que identificou muitos dos que aparecem na produção como presos conhecidos, autores de vários crimes.

No entanto, a Degepol não informou se existe algum tipo de investigação específica sobre a facção. Além de vídeo, já foram apreendidos vários materiais que comprovam a organização do grupo, como cartas e papeis com informações sobre o funcionamento de algumas ações do grupo.

Greve de fome
No início deste mês de setembro, os presos realizaram um movimento de greve de fome e tal ação também é atribuída ao Sindicato do RN. Eles teriam organizado o “protesto”, que foi acatado pelos detentos de quase todas as cadeias do Estado.

Os presos chegaram a confeccionar uma carta, na qual faziam exigências de melhorias nos presídios. Em um trecho afirmaram: “Somo conscientes dos nossos erros e apenas queremos pagar nossas penas de forma digna e humana, como manda a LEP (Lei de Execuções Penais)”. 

0 comentários:

Postar um comentário

IV – “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;

VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”;

 
CARCARÁ PARELHAS | by TNB ©2010