sábado, 27 de setembro de 2014

Padre é denunciado pelo desvio de R$800 mil de paróquia no Paraná



Nos últimos anos, tem crescido o número de escândalos envolvendo desvios de verbas de igrejas e outras instituições religiosas por seus líderes. O caso mais recente aconteceu na cidade de Cascavel, no Paraná, onde um padre foi denunciado pela paróquia na qual atua pela suspeita de ter desviado R$ 800 mil da igreja.
O padre e outros três funcionários foram denunciados pelo Conselho Econômico da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Segundo o Arcebispo Metropolitano de Cascavel, Dom Mauro Aparecido dos Santos, houve falsificação de assinaturas em documentos para o desvio dos recursos financeiros.
- Os integrantes do conselho disseram que a assinatura do tesoureiro foi falsificada – afirmou o Arcebispo.
Segundo o G1, o religioso explicou que dois padres foram designados para investigar o caso e que o padre denunciado pelo crime e diversas testemunhas já foram ouvidos. A suspeita é de que o padre tenha desviado dinheiro da igreja desde 2011.
Os responsáveis pela investigação têm até o fim de setembro para apresentar um relatório e depois disso um promotor de Justiça, que é formado em direito canônico, será nomeado pelo arcebispo para tratar do caso. Após analisar o relatório feito pelos padres responsáveis pela investigação, o promotor irá decidir se sugere ao bispo a abertura de um processo canônico ou o arquivamento do processo.

Caso seja aberto um processo canônico, o padre será julgado pelo tribunal eclesiástico. O arcebispo explicou ainda que o caso pode ser levado à justiça comum, caso algum membro da paróquia se sinta prejudicado e decida prestar queixa contra o padre.
- Se um membro que está ali se sentir prejudicado e quiser ir à Justiça Civil é direto deles – explicou Dom Mauro.
Fonte GNotíciasvia sertaonamidia.com.br
Curta nossa página no Facebook e fique atualizado em tempo real. https://www.facebook.com/sertaonamidia

0 comentários:

Postar um comentário

IV – “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;

VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”;

 
CARCARÁ PARELHAS | by TNB ©2010