segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Justiça planeja julgar 1,2 mil processos de homicídios no RN até o fim deste ano



Até o final deste ano, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN) trabalha para julgar 1,2 mil processos de homicídios em todo o estado.
Segundo o juiz auxiliar da presidência do Tribunal, Fábio Filgueira, tratam-se de casos que deram entrada no judiciário potiguar até dezembro de 2012.
Fábio Filgueira diz que a meta do TJRN é de concluir o julgamento de pelo menos 89% desses processos nos próximos três meses.
“Estamos fazendo um mutirão no Tribunal de Júri, priorizando o julgamento dos casos de homicídio em todo o RN”.
O magistrado diz que esse acúmulo de processos se dá por diversos fatores que dificultam a finalização deles.
“São dificuldades que vão desde a correta preparação do inquérito policial que gera o processo ao deslocamento dos réus para as audiências e júris”.
O juiz vê a falta de estrutura da Polícia Civil do RN como o fator principal no atraso da resolução desses processos de homicídio no judiciário.
Na opinião de Fábio Filgueira, a fragilidade dos inquéritos policiais é que gera a sensação de impunidade existente na sociedade em geral que é atribuída ao judiciário.
“Se o inquérito não for bem elaborado, há muita dificuldade por parte da Justiça de se punir os responsáveis de maneira eficaz.
Como é o judiciário que tem a missão de aplicar a punição aos criminosos, as pessoas têm a ideia de que a culpa é da Justiça, mas ela é apenas um parte do problema”, comenta o magistrado.

Por Paulo de Sousavia sertaonamidia.com.br
Curta nossa página no Facebook e fique atualizado em tempo real. https://www.facebook.com/sertaonamidia

0 comentários:

Postar um comentário

IV – “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;

VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”;

 
CARCARÁ PARELHAS | by TNB ©2010